0

Educar x Ensinar?

0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

A educação contemporânea vive esse grande dilema…

A sociedade se questiona…quem deve educar, a escola ou a família?

Sendo mais inquietante… QUE escola e QUE família?

Realmente são questões muito complexas, pois sabemos que a sociedade, a família, a escola, os padrões e valores alteraram muito nas últimas décadas, fazendo que estes  questionamentos estivessem mais presentes na escola, nas mídias, enfim, são temas preocupantes porque à partir dessas discussões é que teremos um direcionamento para as futuras gerações.

Quando nos deparamos com reflexões que nos remetem há alguns anos atrás… e olha que estou me referindo a década de 80, 90, nem faz tanto tempo… temos a lembrança de um modelo de família e de educação muito diferente do que é hoje.

A família além de seguir um modelo tradicional, independente da classe social, tinha uma enorme preocupação com a educação dos filhos, principalmente na valorização dos estudos. E isso realmente refletia no aprendizado das crianças,lógico que salvo suas exceções, pois desde aquela época tínhamos alunos com dificuldades de aprendizagem e indisciplinados.

Mas, em todos os âmbitos, seja particular, estadual e municipal, o ensino era mais “forte” e exigia mais dos alunos do que agora. As crianças iam pra escola com o objetivo de aprender as diversas disciplinas e conteúdos que seriam exigidos no vestibular, além de aprender a se comunicar bem (mesmo que fosse mais com a escrita correta das palavras), a fazer as contas que seriam necessárias no futuro, enfim, de uma forma talvez descontextualizada, mas tínhamos que decorar os estados do Brasil, as datas históricas, as partes do corpo humano, fazer atividades manuais em artes e se exercitar na quadra com regras dos jogos.

Mas, e agora não é isso que elas ainda vão fazer? Será que deveria ser isso? E não fazem isso numa escola particular? E no ensino público?

Vou contar uma primeira experiência…

A maioria de vocês que estão lendo isso, devem estar se perguntando… mas, foi assim que eu aprendi e cheguei aonde estou… Então o que mudou?

No primeiro ano de educadora do ensino público, me deparei com uma situação… um aluno da oitava série escreveu a palavra FAZER com Ç, e automaticamente eu corrigi, e como achei um absurdo ele não saber escrever uma palavra dessa corretamente, fui contar aos demais colegas, foi aí que fui surpreendida por uma resposta da colega de português… dizendo que eu não poderia ter corrigido, porque de acordo com a educação construtivista, esse aluno aprenderia no tempo dele. Fiquei PASMA!!!

Não entendia mais o significado da escola, se não fosse ensinar… me senti frustrada e pensei em desistir dessa profissão, ainda mais eu que dizia que o futuro do Brasil estava na educação… Mas, realmente  já não tinha mais certeza disso.

O tempo passou, e fui começando a ver o quanto a educação tinha mudado e eu ainda estava presa no ensino tradicional, mas confesso que corrijo SIM os erros de português, mas agora com um outro olhar e cuidado para não aumentar o reforço negativo no aluno.

Mas, voltando a grande questão, percebi que a escola, a família e os alunos não eram mais os mesmos, e que não adiantava os professores acreditarem que a educação não deveria mudar… ela MUDOU!

Hoje, além dos conteúdos, que apesar de ser importante, temos a função de EDUCAR para a vida, estabelecer relações interpessoais com os alunos e que estes possam interagir com os colegas, resolver conflitos e além de tudo ensinar valores.

Mas não é essa a função da família?

Então, a família contemporânea, ainda que estruturada, quando é, já não consegue dispor de tempo suficiente para os filhos, e quando o tem, acaba utilizando para o lazer, ao invés de realmente parar um tempo e conversar sobre diversos assuntos do cotidiano.

Volto a dizer, é gritante a diferença entre aquele aluno que tem uma família presente do outro que não tem, então pais e familiares não deixem de Educar seus filhos, pois a Escola não consegue contemplar todos os questionamentos e angústias das nossas crianças e adolescentes.

E vejo que a sociedade  ainda colherá  frutos das nossas ações de hoje e infelizmente percebo que o resultado já não está sendo satisfatório.

Mas, essa é uma discussão interminável…

“A educação é um processo social, é desenvolvimento. Não é a preparação da vida, é a própria vida”(John Dewey)

Abraços e até a próxima!!!

Geise Guedes

Olá pessoal! Eu sou a Geise, atriz, bailarina e professora de Arte do ensino público estadual e municipal de São Paulo. Acabei procurando uma estabilidade financeira e entrei na educação pública, no começo foi muito difícil, mas encarei o desafio e a grande responsabilidade de educar. Hoje, tenho muito prazer em poder passar um pouco do meu conhecimento para os alunos. Sou formada em teatro, pedagogia e atualmente cursando uma pós em ludoterapia. Além das aulas de arte também dou aulas de ballet clássico e dança na prefeitura, onde abrange as crianças da Vila Nhocuné. Sempre acreditei no poder transformador da arte-educação, trabalhei com projetos sociais em ongs e tenho certeza que com afetividade, há mudança na educação. Abraços à todos! E que possamos aprender sempre...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *